Quanto tempo tenho para fazer um inventário?

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

A perda de um ente querido é um momento de muita tristeza e, com isso, o que menos queremos é esquentar a cabeça com burocracia, não é?

Com o falecimento de um familiar, surgem diversas obrigações em relação ao patrimônio do falecido que devem ser resolvidas por meio do inventário.

O inventário nada mais é que um procedimento no qual são apurados todos os bens, direitos e dívidas do falecido. Com a partilha destes bens, há transferência de propriedade aos herdeiros, os quais passam a ser donos do patrimônio do de cujus.

De tal forma, é possível que o inventário seja de duas formas: extrajudicial e o judicial.

O primeiro é realizado perante o cartório de notas por meio de escritura pública, porém exige alguns requisitos, quais sejam:

 – Todos os herdeiros devem ser maiores e capazes

– Deve haver consenso entre os herdeiros sobre a partilha dos bens

– O falecido não pode ter deixado testamento, exceto se estiver revogado ou caduco

– A escritura deve contar com participação de um advogado

Sendo assim, se não houver consenso ou existindo herdeiros menores e/ou incapazes, o inventário deverá ser necessariamente judicial.

Mas quanto tempo tenho pra fazer um inventário?

A legislação vigente dispõe que o inventário deverá ser feito em até 60 dias a contar da data do óbito. Caso contrário, poderá haver aplicação de multa pelo atraso pelo Estado sobre o valor total do patrimônio. A depender do caso, pode chegar a ser um montante muito alto a ser despendido, o qual pode ser evitado.

Vale destacar que o inventário poderá ser feito a qualquer tempo, mesmo que ultrapasse o prazo referido. No entanto, é preciso estar atento, pois se um inventário não é feito, os bens do falecido poderão ser repassados ao Estado, por ausência de sucessores do falecido (denominada herança vacante).

Por tais razões, é muito importante buscar auxílio de um advogado especializado em direito de família, pois este lhe orientará e atenderá seus interesses dentro do prazo legal, evitando o pagamento de multa.

Ficou com alguma dúvida sobre o divórcio judicial e extrajudicial? Deixe seu comentário, será um prazer orientá-lo! Entre em contato no WhatsApp através do link encurtador.com.br/DHN09 

Relacionados

Entenda a guarda compartilhada

A guarda compartilhada é um direito previsto em lei que garante a ambos os genitores (pai e mãe) a convivência com o

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Gostaria de uma orientação jurídica?